Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 05 de maio de 2017. Atualizado às 08h52.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

Relações Internacionais

Trump vai se reunir com Juncker e Tusk em Bruxelas, diz porta-voz

As principais autoridades da União Europeia irão se reunir com o presidente dos EUA, Donald Trump, durante sua visita a Bruxelas neste mês, segundo uma porta-voz.

Antes da reunião de líderes da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), em 25 de maio, Trump terá encontros com os presidentes do Conselho Europeu, Donald Tusk, e da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker.

As autoridades europeias se esforçaram para marcar os encontros, após comentários de Trump e de outros dirigentes americanos que foram considerados de crítica ao bloco.

Trump foi um defensor declarado do Brexit - como é conhecido o processo de retirada do Reino Unido da UE - durante a campanha eleitoral e a Casa Branca já acusou a Alemanha de utilizar o euro para impulsionar suas exportações.

Mais recentemente, porém, Washington tem adotado tom mais conciliatório. Em fevereiro, por exemplo, o vice-presidente dos EUA, Mike Pence, teve um encontro amigável com Tusk.

Ontem, a Casa Branca divulgou detalhes da primeira viagem ao exterior de Trump, que incluirá passagens pela Arábia Saudita, Israel, Roma, Bruxelas e Sicília, onde está previsto um encontro do grupo dos sete países mais industrializados (G-7).

Os encontros de Trump com Juncker e Tusk foram anunciados hoje por uma porta-voz da UE no Twitter. A questão do comércio deverá ser o principal assunto das conversas, mas o destino do acordo climático de Paris também deverá ser abordado, uma vez que o governo americano considera a possibilidade de abandonar o pacto.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia