Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 03 de maio de 2017. Atualizado às 11h42.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

Relações Internacionais

03/05/2017 - 11h43min. Alterada em 03/05 às 11h43min

EUA ameaçam impor novas sanções à Venezuela por causa de Constituinte

O governo dos Estados Unidos pode impor novas sanções à Venezuela caso o governo de Nicolás Maduro mantenha seus planos de reescrever a Constituição, afirmou o vice-secretário-assistente para assuntos do Hemisfério Ocidental da Casa Branca, Michael Fitzpatrick.
"O que o presidente Maduro está tentando é mudar as regras do jogo", disse Fitzpatrick. "As ações tomadas no início da semana podem nos dar novas razões para considerar sanções individualizadas".
O alerta chega no momento em que o governo Trump recebe pressões por parte do Congresso para agir de forma mais firme em relação a Maduro. Hoje, um grupo bipartidário de senadores irá apresentar um projeto oferecendo assistência humanitária à Venezuela ao passo que endurece as sanções contra autoridades consideradas corruptas, de acordo com membros do Senado.
O projeto, ao qual a Associated Press obteve uma cópia, também instrui que a inteligência norte-americana prepare um relatório sobre a relação de membros do governo em corrupção e tráfico de drogas.
Membros da oposição pediram por uma grande manifestação nesta quarta-feira em Caracas, na tentativa de manter pressão sobre o governo de Maduro após um mês de grandes protestos. Para eles, a Constituinte é apenas um plano para que o presidente e seus aliados se mantenham no poder ao cancelar as eleições regionais marcadas para este ano e também o pleito presidencial em 2018.
Segundo pesquisas de opinião, os socialistas perderam fortemente o apoio em meio a um cenário que inclui inflação de três dígitos e escassez de alimentos e outros bens.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia