Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 02 de maio de 2017. Atualizado às 22h45.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

Rússia

Notícia da edição impressa de 03/05/2017. Alterada em 02/05 às 19h38min

Merkel defende legitimidade do governo da Ucrânia

A chanceler da Alemanha, Angela Merkel, afirmou ontem que há "divergências fundamentais" entre a Rússia e os países ocidentais em relação a como resolver o conflito na Ucrânia. "Temos opiniões diferentes sobre a causa do conflito", disse a líder alemã em uma coletiva conjunta após se encontrar com o presidente russo, Vladimir Putin. Ela também ressaltou que seu país acredita na legitimidade democrática do governo ucraniano. O dirigente russo, por sua vez, ressaltou a importância da reunião para estreitar os laços e aproveitar para discutir questões geopolíticas com a Ucrânia e a Síria.
É a primeira vez, em dois anos, que Merkel viaja ao país. Ambas as nações estão com as relações estremecidas desde que a União Europeia impôs sanções econômicas a Moscou por sua participação no conflito ucraniano. Sobre a conversa privada, Merkel ressaltou ter sido "construtiva".Além disso, afirmou ter pedido a Putin ajuda para proteger os direitos dos homossexuais na Chechênia, após relatos de que eles estavam sendo perseguidos.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia