Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 01 de junho de 2017. Atualizado às 00h48.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

Educação

Notícia da edição impressa de 01/06/2017. Alterada em 31/05 às 21h21min

TCE-RS aponta falhas no Ensino Fundamental de Porto Alegre

O Tribunal de Contas do Estado do Rio Grande do Sul (TCE-RS) apresentou ontem ao secretário municipal de Educação, Adriano Naves de Brito, um diagnóstico sobre a situação do Ensino Fundamental em Porto Alegre. Segundo o estudo, que avaliou os exercícios de 2015 e 2016, Porto Alegre tem índices positivos, como o maior gasto por aluno entre as capitais no período de 2008 a 2015 e o terceiro melhor nível socioeconômico entre as capitais. Porém, nos percentuais de desempenho de alunos usados pelo Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) e pela Prova Brasil, do Ministério da Saúde, os resultados de Porto Alegre são mais baixos do que a maioria das capitais.
O levantamento aponta que há grande quantidade de professores exercendo atividades administrativas nas escolas. De acordo com o órgão, a substituição desses servidores por profissionais específicos, como assistentes administrativos e bibliotecários, poderia gerar economia acima de R$ 203 mil por semana aos cofres do município.
Outro problema apontado pelo TCE-RS seria o atual modelo de escolha de diretores nas escolas. Segundo os auditores responsáveis pelo estudo, critérios "técnicos e meritocráticos" não são devidamente levados em conta na indicação de candidatos. Atualmente, a eleição de diretores é direta, por votação da comunidade escolar.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia