Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 26 de maio de 2017. Atualizado às 10h41.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

saúde

Alterada em 26/05 às 10h47min

Baixa adesão força governo a prorrogar vacinação contra a gripe

Campanha de vacinação foi prorrogada até 9 de junho em todo o país

Campanha de vacinação foi prorrogada até 9 de junho em todo o país


MARCELO G. RIBEIRO/JC
Folhapress
A baixa adesão do público-alvo à vacinação contra a gripe, forçou o Ministério da Saúde a prorrogar a campanha de vacinação até 9 de junho em todo o país. A campanha terminaria nesta sexta-feira (26).
A vacina protege contra a supergripe (H1N1), cujos casos tiveram um aumento em 2016, além de outros dois vírus que causam a doença, o H3N2 e o B. As únicas contraindicações são para pessoas com histórico de reação anafilática prévia ou alergia grave relacionada a ovo de galinha e seus derivados, assim como a qualquer outro componente da vacina.
O esforço do governo é vacinar 90% das 54,2 milhões de pessoas incluídas no grupo prioritário, mas, até a manhã desta quinta-feira (25), apenas 63,6% haviam recebido a sua dose.
Deve se vacinar quem se encaixa nos grupos de risco: idosos a partir de 60 anos, crianças a partir dos seis meses e menores de cinco anos, gestantes e mulheres que deram à luz nos últimos 45 dias, profissionais de saúde, professores e pacientes crônicos.
Até o momento, nenhum grupo prioritário atingiu a meta de vacinação, segundo o ministério. Os idosos registraram a maior cobertura, com 15,1 milhões de doses aplicadas ou 72,4%.
Amapá (85,7%), Paraná (78,1%), Santa Catarina (77,7%), Rio Grande do Sul (74%), e Goiás (70,1%) são os Estados com maior cobertura. Já Roraima (47,9%), Rio de Janeiro (49%), Pará (52,1%), Mato Grosso (55,8%), Rondônia (56,2%) são os com menor adesão.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia