Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 01 de junho de 2017. Atualizado às 00h48.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Agronegócios

Notícia da edição impressa de 01/06/2017. Alterada em 31/05 às 20h51min

Juros reais do Plano Safra devem ficar entre 3,5% e 4%

O ministro da Agricultura, Blairo Maggi, disse que as taxas de juros reais do Plano Agrícola e Pecuário 2017/2018, já descontada a inflação, devem variar de 3,5% a 4%. "Ainda são juros altos para a agricultura", reconheceu o ministro em painel durante o Fórum de Investimentos Brasil 2017, realizado em São Paulo. O Plano Safra para a temporada que começa em 1 de julho será anunciado no próximo dia 7 e deve contar com taxas de juros entre 7,5% e 11,75%, um ponto percentual abaixo do ciclo anterior.
Maggi também voltou a afirmar que não vê "problema em abrir terras para estrangeiros", ou seja, em liberar a venda. "Mas faço uma observação: devemos ter limites de volumes para isso. Não vejo dificuldades para culturas perenes. Já para as culturas de grãos, o governo quer impor limites, pois a decisão de plantar ou não é feita em poucos meses", explicou.
Ainda segundo o ministro, a agricultura brasileira se beneficiaria da "abertura para outros financiadores" caso ocorresse a liberação de venda de terras para estrangeiros. "No momento em que conseguirmos resolver o problema do seguro-rural, reduziremos o risco. Isso traz investidores de fora. Nesse aspecto, a abertura de terras vai ajudar a questão de crédito", concluiu.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia