Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 31 de maio de 2017. Atualizado às 11h32.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Trabalho

31/05/2017 - 11h32min. Alterada em 31/05 às 11h34min

Desemprego tem alta e vai a 11,3% na Região Metropolitana de Porto Alegre

Dados foram detalhados nesta quarta-feira em coletiva na FEE

Dados foram detalhados nesta quarta-feira em coletiva na FEE


FEE/DIVULGAÇÃO/JC
Após seis meses de relativa estabilidade, a taxa de desemprego da Região Metropolitana de Porto Alegre registrou aumento no mês passado, passando de 10,8% para 11,3% entre março e abril de 2017. Os dados são da Pesquisa de Emprego e Desemprego (PED-RMPA) e foram apresentados nesta quarta-feira (31) pela FEE. O número total de desempregados foi estimado em 203 mil pessoas, 6 mil a mais em relação ao mês anterior.
Em coletiva, a economista da FEE Iracema Castelo Branco explicou que esse resultado se deve à redução da ocupação em 2,1%, com menos 34 mil vagas, um número superior à saída da PEA (menos 28 mil, ou queda de 1,5%). "A taxa de participação diminuiu de 51,3 % para 50,5% no período em análise, atingindo o menor patamar da série histórica", alerta.
Houve redução na indústria de transformação (menos 38 mil ocupados, ou -13,6%) e aumento nos serviços (mais 8 mil ocupados, ou 0,9%). Os setores de comércio; reparação de veículos automotores e motocicletas (menos 1 mil ocupados, ou -0,3%) e construção (menos 1 mil ocupados, ou -0,8%) se mantiveram estáveis.
Para a Coordenadora Nacional do Sistema PED, Lúcia Garcia, o RS e mais especificamente a Região Metropolitana de Porto Alegre têm um comportamento de sentinela no mercado de trabalho. “O que acontece na RMPA é o que ocorre cerca de três meses depois em outras Regiões Metropolitanas. Isso é preocupante porque tínhamos a expectativa da estabilidade na taxa de desemprego, mas essa piora coloca não só o RS mas o país também em um momento de grande dificuldade”, explica.
Os assalariados tiveram redução na ocupação (menos 38 mil, ou -3,3%), tanto no setor privado (menos 32 mil, ou -3,3%) quanto no setor público (menos 5 mil, ou -2,8%). O emprego com carteira assinada teve redução de 3,8% (menos 33 mil) e o emprego sem carteira se manteve relativamente estável (mais 1 mil, ou 1,1%). Mas outros segmentos fornecem pistas para compreender um quadro deterioração do mercado de trabalho, de acordo com a economista Iracema Castelo Branco.
"Constatou-se aumento entre os trabalhadores autônomos (mais 8 mil, ou 3,6%) e empregados domésticos (mais 3 mil, ou 2,9%). E foi justamente para os trabalhadores autônomos que ocorreu redução do rendimento médio real em -3,4% (ao redor de R$ 1.578). Ou seja, há mais trabalhadores autônomos disputando renda, como alternativa ao desemprego, mas seus ganhos estão sendo reduzidos", avalia Iracema.
Entre fevereiro e março de 2017, o rendimento médio real aumentou para o total de ocupados (0,5%) e assalariados (1,5%). Em termos monetários, esses rendimentos passaram a corresponder a R$ 1.850 e R$ 1.867 respectivamente.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia