Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 31 de maio de 2017. Atualizado às 08h22.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

Alterada em 31/05 às 08h22min

Bolsas da Ásia e Pacífico fecham mistas e com variações modestas

As bolsas da Ásia e Pacífico fecharam sem direção única e com variações modestas nesta quarta-feira, em meio à retomada dos negócios na China, após dois dias de feriados.
O índice Xangai Composto subiu 0,23% hoje, a 3.117,18 pontos, enquanto o menos abrangente Shenzhen Composto recuou 0,10%, a 1.808,30 pontos.
Durante o pregão, o Xangai chegou a avançar 1%, após novos dados econômicos oficiais mostrarem que os setores industrial e de serviços da China continuam se expandindo em bom ritmo, apesar de recentes medidas de Pequim para conter o endividamento de empresas e operações bancárias paralelas.
Em Hong Kong, o Hang Seng voltou de um feriado ontem com baixa de 0,16%, a 25.660,65 pontos, interrompendo uma sequência de sete sessões positivas e máximas em 23 meses. No mercado taiwanês, que não operou nos últimos dois dias também em razão de feriados, o Taiex caiu 0,61%, a 10.040,72 pontos.
Já o sul-coreano Kospi avançou 0,16% em Seul, a 2.347,38 pontos, mas o japonês Nikkei teve leve baixa de 0,14% em Tóquio, a 19.650,57 pontos.
Na Oceania, a bolsa australiana foi mais uma vez ajudada por ações de grandes bancos locais, que compensaram o fraco desempenho de papéis de petrolíferas e mineradoras. O S&P/ASX 200 registrou alta de 0,12% em Sydney, a 5.724,60 pontos.
No fechamento de maio, o chamado índice MSCI da Ásia e Pacífico acumulou valorização de cerca de 2%, marcando o quinto mês consecutivo de ganhos na região.
Apenas o Xangai Composto, porém, terminou maio com queda de 1,2%, diante dos esforços de Pequim para restringir a concessão de crédito e após a Moody's rebaixar a nota de crédito da China pela primeira vez desde 1989.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia