Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 29 de maio de 2017. Atualizado às 17h15.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado Financeiro

Alterada em 29/05 às 17h15min

Petróleo fecha em leve alta em dia de baixa de liquidez, ainda com ecos da Opep

Os contratos futuros de petróleo rondaram a estabilidade durante todo a sessão desta segunda-feira (29) em meio à baixa liquidez causada por feriados nos Estados Unidos, China e Reino Unido.
Ao final da sessão, prevaleceu o tom positivo entre os investidores. Os operadores estiveram mais otimistas em relação ao quadro de oferta e demanda da commodity, após Estados membros e não-membros da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) terem decidido, na quinta-feira passada, estender por nove meses um acordo de corte na produção.
Na IntercontinentalExchange (ICE), em Londres, o petróleo Brent para agosto avançou US$ 0,13 (0,25%), para US$ 52,64 por barril. Na New York Mercantile Exchange (Nymex) houve apenas negociação no pregão eletrônico. Às 13h59 (de Brasília), última notação do contrato até o fechamento deste texto, o contrato para junho subia US$ 0,19 (0,38%), a US$ 49,99 por barril.
Há, no entanto, visões distintas no mercado. Em nota, o chefe da equipe europeia de pesquisa de petróleo e gás do Morgan Stanley, Martijn Rats, afirmou que não espera que os países-membros da Opep estendam os cortes para além do nível atual. "Os cortes na produção da OPEP têm vida útil limitada", afirmou. 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia