Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 29 de maio de 2017. Atualizado às 11h31.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Trabalho

Alterada em 29/05 às 11h33min

Informalidade no trabalho afeta 40% dos jovens latino-americanos

Agência Brasil
Na América Latina, 40% dos jovens não fazem parte do setor formal da economia, percentual que chega a até 60% no caso das mulheres jovens, já que iniciam no trabalho de forma irregular e depois encontram sérias dificuldades para se incorporar ao mercado legal. A informação é da Agência EFE.
Essa é uma das conclusões do relatório Perspectivas econômicas da América Latina 2017, apresentado nesta segunda-feira (29) na Casa da América em Madri, onde os maiores desafios são a informalidade no trabalho, as más perspectivas macroeconômicas e a falta de acesso a programas de capacitação.
Segundo o economista-chefe para a América Latina da Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (OCDE), Angel Melguizo, a informalidade no mercado de trabalho é "uma armadilha duradoura". Os jovens, de entre 15 a 29 anos, somam mais de 163 milhões na região, o que equivale à quarta parte da população, número que mostra que "os jovens são o futuro", segundo afirmou o diretor para a Europa do Banco de Desenvolvimento da América Latina (CAF), Guillermo Fernández del Soto.
O documento, elaborado pela OCDE com o apoio da CAF e da Comissão Econômica para a América Latina (Cepal), apresenta algumas medidas para "oferecer melhores oportunidades de inserção social e de trabalho para os jovens".
Melguizo propõe formar os jovens em empreendedorismo para evitar o desemprego já que, segundo afirma, "os jovens empreendedores atuais têm pouca rodagem e estão pouco conectados" entre si. Segundo o relatório, os novos programas de capacitação devem olhar para o futuro com base em três perspectivas - "o emprego, a política e as cidades", setores que hoje em dia "estão desvinculados". "Há muito o que ganhar empoderando os jovens. Se passarem do setor informal ao formal e começarem a trabalhar, isto aumentará de 3% a 4% o Produto Interno Bruto (PIB) médio da região", disse Melguizo.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia