Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 25 de maio de 2017. Atualizado às 17h55.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

Alterada em 25/05 às 17h56min

Opep confirma que acordo de corte na produção de petróleo vale até março de 2018

A Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) confirmou oficialmente, em comunicado nesta quinta-feira, o acordo para reduzir a produção da commodity. A iniciativa envolve não só países do cartel, mas também outros de fora, como a Rússia.
Em reunião ministerial em Viena, as partes decidiram manter o acordo de corte na produção por mais nove meses, a partir de 1º de julho de 2017. A iniciativa se estenderá, portanto, até março de 2018. "Os 14 países-membros da Opep e os dez países produtores participantes de fora da Opep ressaltaram a importância da continuidade dos esforços para ajudar a estabilizar o mercado de petróleo, no interesse de todos os produtores e consumidores", afirma o comunicado.
Os integrantes de fora da Opep que participam da iniciativa são Azerbaijão, Bahrein, Brunei, Casaquistão, Malásia, México, Omã, Rússia, Sudão e Sudão do Sul. Segundo a nota, todos concordaram em manter a cooperação entre as nações exportadoras da commodity, a fim de "atingir uma estabilidade duradoura no mercado do petróleo".
Os países da Opep e de fora do grupo concordaram em continuar a revisar regularmente a cooperação, nos níveis técnico e ministerial. Além disso, pretendem fortalecer esse intercâmbio, com maior facilidade na troca de análises e perspectivas conjuntas, com o objetivo de garantir um mercado sustentável para benefício de "produtores, consumidores da indústria e da economia global".
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia