Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 25 de maio de 2017. Atualizado às 12h25.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

trabalho

Alterada em 25/05 às 12h26min

Construção respondeu por 7,1% dos ocupados na Região Metropolitana em 2016

Conforme a pesquisa, 95,4% dos trabalhadores do setor eram do sexo masculino

Conforme a pesquisa, 95,4% dos trabalhadores do setor eram do sexo masculino


FREDY VIEIRA/JC
A taxa de participação dos ocupados no setor da construção em relação à ocupação total fechou 2016 em 7,1% na Região Metropolitana de Porto Alegre. O dado representa uma queda de 2 mil ocupados no setor, o menor número de ocupados desde 2011. Essa redução foi menor do que a observada em 2015, quando houve uma queda de 4 mil postos de trabalho.
As informações referentes ao desempenho da construção foram divulgadas nesta quinta-feira (25) e fazem parte de pesquisa inédita em comemoração aos 25 anos da Pesquisa de Emprego e Desemprego na Região Metropolitana de Porto Alegre (PED-RMPA), FEE, FGTAS e DIEESE. O informe busca identificar o cenário da construção entre 2011 e 2016, para avaliar o comportamento do setor na conjuntura de crise econômica.
De acordo com os dados, a distribuição dos ocupados na construção apresentou no ano passado aumento da participação da divisão de Construção e Incorporação de Edifícios e redução na participação da divisão de Serviços Especializados para a Construção. A economista e pesquisadora da FEE, Iracema Castelo Branco, pondera que o comportamento reflete uma mudança no padrão observado entre 2011 e 2015, quando foi registrado crescimento da divisão de serviços especializados e redução da divisão de construção e incorporação de edifícios.
Já a redução na participação da divisão de Obras de Infraestrutura está relacionada com o fim do ciclo de obras em infraestrutura na região Metropolitana da Capital, como a conclusão da BR-448 em dezembro de 2013 e o final das obras vinculadas a realização da Copa do Mundo. A pesquisadora também considera que as dificuldades fiscais observadas no setor público nacional e estadual também colaboraram na redução das atividades em obras de infraestrutura.

Perfil do trabalhador

Conforme a pesquisa, 95,4% dos trabalhadores do setor eram do sexo masculino em 2016, proporção que tem se mantido estável desde 2011. Em relação à faixa etária dos trabalhadores da construção, verifica-se a diminuição da participação dos jovens, o que segundo os pesquisadores que analisaram os dados pode ser reflexo do processo de transição demográfica e fatores socioeconômicos, como o adiamento do ingresso no mercado de trabalho e o direcionamento profissional para outras atividades.
Além disso, o perfil indica que mais da metade (54,1%) possui 40 anos e mais e a parcela daqueles com 60 anos está aumentando, tendo alcançado cerca de 10% em 2016.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia