Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 23 de maio de 2017. Atualizado às 15h06.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado Financeiro

Alterada em 23/05 às 15h12min

Bolsas da Europa fecham na maioria em alta; Londres cai com cautela após atentado

As bolsas europeias fecharam na maioria em alta nesta terça-feira (23), de olho em indicadores econômicos. A Bolsa de Londres, porém, recuou em dia de cautela no Reino Unido, após o atentado da noite de segunda-feira, 22, em Manchester reivindicado pelo Estado Islâmico. O índice pan-europeu Stoxx 600 fechou em alta de 0,32% (1,26 ponto), em 392,40 pontos.
Na agenda de indicadores, o índice de gerentes de compras (PMI, na sigla em inglês) composto da zona do euro subiu a 56,8 em maio, no maior patamar em seis anos. Na Alemanha, o Produto Interno Bruto (PIB) avançou 0,6% no primeiro trimestre ante o anterior e registrou expansão de 1,7% na comparação anual, como esperado pelos analistas.
O PMI composto da Alemanha passou de 56,7 em abril para 57,3 em maio, no maior nível em 73 meses, enquanto o sentimento do consumidor do país foi de 113 em abril para 114,6 em maio, na máxima histórica e acima da previsão de 113.
Na Bolsa de Londres, o índice FTSE-100 fechou em baixa de 0,15%, em 7.485,29 pontos. Embora tenha chegado a oscilar em leve alta, o índice terminou o dia na mínima, em meio à cautela após o atentado em Manchester.
A polícia identificou o autor do ataque como Salman Abedi, de 22 anos, no atentado suicida que deixou 22 mortos e 59 feridos em um show da cantora Ariana Grande, segundo as autoridades britânicas. Entre as ações em foco, as varejistas recuaram, entre eles Kingfisher (-2,4%) e Marks & Spencer (-2%). As mineradoras também se saíram mal: Glencore caiu 1,53% e Anglo American cedeu 0,97%. Entre os bancos, por outro lado, Lloyds subiu 0,52% e Barclays teve alta de 0,28%.
Em Frankfurt, o índice DAX fechou em alta de 0,31%, em 12.659,15 pontos. No setor de energia, E.ON subiu 3,88%, enquanto entre os bancos Commerzbank subiu 1,09% e Deutsche Bank teve alta de 0,79%, respectivamente. Já Deutsche Telekom recuou 0,25%.
Na Bolsa de Paris, o CAC-40 teve ganho de 0,47%, para 5.348,16 pontos. Crédit Agricole avançou 1,77% e Société Générale subiu 0,90%, mas a petroleira Total recuou 0,38%. Nokia foi destaque e subiu 5,75%, depois de anunciar a assinatura de um acordo com a Apple para receber dinheiro desta e encerrar um litígio.
O índice FTSE-MIB, da Bolsa de Milão, avançou 0,46%, para 21 415,74 pontos. Entre os bancos italianos, Banco BPM subiu 5,88%, Intesa Sanpaolo teve alta de 0,30% e UniCredit avançou 0,54%. Já Telecom Italia caiu 1,55% e Fiat recuou 0,73%.
Na Bolsa de Madri, o índice IBEX-35 fechou em alta de 1,14%, em 10.916,30 pontos. Bankia subiu 2,33% e Santander teve alta de 2,30%, mas Banco Popular Español caiu 0,57%. No setor de energia, Repsol avançou 1,62%.
Em Lisboa, o índice PSI-20 teve alta de 0,70%, em 5.214,18 pontos. Banco Comercial Português fechou com ganhos de 2,35% e Altri subiu 1,86%, mas Galp Energia e Ibersol recuaram 0,56% e 0,93%, respectivamente.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia