Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 22 de maio de 2017. Atualizado às 18h46.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

crédito

Alterada em 22/05 às 18h52min

Demanda do consumidor por crédito cai 15,1% em abril, aponta Serasa

A quantidade de pessoas que buscou crédito em abril diminuiu 15,1% na comparação com março de 2017. Já em relação a igual mês do ano passado, a demanda recuou 5,1%, segundo dados do Indicador Serasa Experian da Demanda do Consumidor por Crédito. Com esse resultado, a procura do consumidor por crédito fechou o primeiro quadrimestre de 2017 com recuo de 0,7% contra os primeiros quatro meses do ano passado.
Segundo Luiz Rabi, economista da Serasa Experian, o nível de confiança ainda contido e o desemprego elevado explicam a baixa disposição do consumidor para se endividar. "A procura não cresce, o mercado de crédito está em estagnação, pelo menos em relação à demanda do consumidor", afirma. O economista acrescenta que o ritmo de concessão de crédito para pessoa física também está em estagnação, contribuindo para esse cenário
Rabi comenta que os dados quadrimestrais explicam melhor a baixa variação na demanda do consumidor por crédito, por não sofrerem com mudanças sazonais. Em relação à renda, por exemplo, destaca que a procura do consumidor por crédito caiu 1,2% para quem recebe entre R$ 1.000 e R$ 2.000 na comparação com o primeiro quadrimestre do ano passado; e diminuiu 2,4% para os que recebem mais de R$ 10.000 por mês. As oscilações positivas também variaram pouco. Nas rendas mais baixas, houve aumento de 0,8% para a faixa de renda de até R$ 500 mensais e 0,3% para o consumidor com renda entre R$ 500 e R$ 1.000 por mês.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia