Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 22 de maio de 2017. Atualizado às 23h06.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Agronegócios

Notícia da edição impressa de 23/05/2017. Alterada em 22/05 às 21h10min

Ministério terá adido agrícola na Arábia Saudita ainda neste ano

O ministro da Agricultura, Blairo Maggi, postou ontem um vídeo no qual informa que o Brasil terá ainda neste ano um adido agrícola na Arábia Saudita e representantes contratados para cuidar dos interesses setoriais nos países árabes. "Tem muita coisa boa aqui, o Brasil tem presença grande, mas precisa ampliar. É nítido que quem faz negócios é quem tem amizade, quem tem a presença no dia a dia, e nós vamos colocar, aqui, na Arábia Saudita, ainda este ano, um adido agrícola e vamos ter pessoas contratadas localmente para poder atender as demandas desses países (árabes)", relata o ministro no vídeo.
Maggi afirmou ainda que Brasil tem grandes chances de ampliar seus negócios com os países árabes, "mas também precisa investir, precisa estar presente, estar aqui olhando as coisas e dando as respostas", disse. O ministro encerrou ontem a visita a missão a quatro países árabes - Arábia Saudita, Catar, Kuwait e Emirados Árabes - iniciada no dia 11. Ele deve reassumir o cargo amanhã.
A missão foi feita para agradecer a retomada do mercado de carnes pelos países, após a Operação Carne Fraca, da Polícia Federal, e reforçar os laços comerciais. Durante o período em que esteve ausente, o Ministério da Agricultura voltou a ser alvo de duas operações da Polícia Federal (Fugu e Lucas) que investigaram o envolvimento de fiscais da Pasta em suspeitas de corrupção com frigoríficos.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia