Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 22 de maio de 2017. Atualizado às 14h16.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado Financeiro

22/05/2017 - 14h19min. Alterada em 22/05 às 14h20min

Mercados seguem na defensiva, com dólar em alta e Bolsa em queda

A aversão a risco domina os ativos brasileiros nesta segunda-feira (22) com a percepção crescente de que o presidente Michel Temer não conseguirá se manter no cargo e que as reformas não avançarão enquanto a crise não for resolvida. Mesmo com o Banco Central realizando a venda de dólares - em uma operação chamada de swap cambial, que contém a alta - a moeda americana à vista tinha alta de 1,08%, cotado a R$ 3.2871, às 11h31min. A operação, no entanto, conteve a elevação.
Foram vendidos 40.000 contratos de swap cambial (US$ 2 bilhões) oferecidos no primeiro leilão do dia, ocorrido entre 9h30 e 9h40. O dólar para junho avançava 0,98%, a R$ 3,2955.
Ainda às 11h31min, o Ibovespa caía 1,25%, aos 61.856,14 pontos. O DI para janeiro de 2019 marcava 10,18% (máxima de 10,50%), de 9,97% no ajuste anterior. O vencimento para janeiro de 2021 exibia 11,48% (máxima de 11,69%), de 11,17% no ajuste anterior.
Nesta segunda-feira (22) consultoria Eurasia divulgou que a probabilidade de 70% de Temer cair, acima dos 20% estimados desde dezembro do ano passado. O cenário mais provável é que a saída do peemedebista do governo ocorra "rapidamente", de acordo com relatório divulgado nesta segunda-feira.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia