Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 18 de maio de 2017. Atualizado às 17h31.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

Alterada em 18/05 às 17h38min

Petróleo fecha em alta, ainda em reação ao relatório de estoques dos EUA

Os contratos futuros de petróleo fecharam em alta nesta quinta-feira com os investidores ainda reagindo ao relatório semanal de estoques do Departamento de Energia (DoE) dos Estados Unidos.
Na New York Mercantile Exchange (Nymex), o petróleo WTI para julho, que passou a ser o contrato mais líquido, fechou em alta de 0,51%, a US$ 49,66 por barril. Já o petróleo Brent, negociado na Intercontinental Exchange (ICE), avançou 0,57%, a US$ 52,51 por barril.
Dados da quarta-feira do DoE mostraram que os estoques de petróleo bruto, gasolina e diesel recuaram na semana encerrada na sexta-feira passada. No entanto, o declínio de 1,75 milhão de barris de petróleo ficou aquém das estimativas de analistas, que esperavam queda de 2,2 milhões de barris.
A produção americana tem aumentado desde o início do ano, atingindo seu nível mais elevado desde agosto de 2015, com 9,31 milhões de barris por dia no início do mês. Os dados da quarta-feira mostraram a primeira queda na produção dos EUA em 13 semanas, dando algum apoio aos preços, de acordo com Tamas Varga, da corretora PVM.
"Embora os estoques comerciais dos EUA estejam cerca de 34 milhões abaixo do nível mais alto observado em agosto passado, é necessário mais trabalho para reduzi-los à média de cinco anos de 1,2 bilhão de barris, disse Varga.
A crescente atividade dos produtores de xisto dos EUA prejudicou a tentativa da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) de diminuir o excesso de suprimento global, ao cortar sua própria produção neste ano. 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia