Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 18 de maio de 2017. Atualizado às 16h51.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

Alterada em 18/05 às 16h56min

Ouro fecha em queda, após sequência de ganhos e pressionado por dólar

O ouro fechou em baixa nesta quinta-feira, interrompendo sua sequência positiva mais longa desde agosto, em um dia de maior apetite por risco nos mercados internacionais e consequente menor busca pela segurança desse metal. Além disso, o dólar ficou mais forte em geral durante o pregão, o que pressionou o ouro.
O ouro para entrega em junho fechou em queda de US$ 5,90 (0,47%), a US$ 1.252,80 a onça-troy, na Comex, divisão de metais da New York Mercantile Exchange (Nymex).
Um avanço na demanda por ativos de mais risco tende a pressionar o ouro. Além disso, no câmbio o dólar ficou mais forte, o que torna o metal mais caro para os detentores de outras divisas e reduz o apetite dos investidores.
Diretor de pesquisa da GoldCore, Mark O'Byrne afirmou que a expectativa já era de realização de lucros. Além disso, a estabilização do dólar durante o pregão contribuiu para a fraqueza desta quinta.
A incerteza política em Washington, porém, pode voltar a elevar a demanda pelo ouro. As polêmicas recentes envolvendo o presidente dos EUA, Donald Trump, sobretudo a suposta intervenção junto ao FBI para arquivar uma investigação contra seu ex-assessor de segurança nacional, podem voltar a aumentar a demanda pelo ouro.
Na avaliação do analista Craig Erlam, da Oanda, no mínimo os episódios polêmicos podem atrasar a implementação dos planos de corte de tributos e de infraestrutura, o que não agrada os mercados.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia