Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 17 de maio de 2017. Atualizado às 11h55.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

Alterada em 17/05 às 11h57min

Em meio a aversão a risco no exterior, Bovespa abre em queda

O Índice Bovespa abriu em queda em meio à crise de confiança que paira sobre o governo norte-americano, especialmente sobre o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, envolvido em um suposto vazamento para o governo russo de informações confidenciais. O indicador da Bovespa cai assim como os índices acionários futuros de Nova Iorque e as principais bolsas na Europa.
Perto da abertura nesta quarta-feira, apenas quatro ações da Bolsa brasileira estavam em alta. Às 10h30, as bolsas em Nova Iorque abriram em forte queda. O índice Dow Jones recuava 0,84%.
O movimento "risk off" (aversão a ativos de risco) acontece em meio a incertezas políticas geradas pelo noticiário recente em torno do presidente dos EUA, Donald Trump, que estimulam investidores a buscar ativos considerados mais seguros. Prata, ouro e também o euro e iene estão em alta nesta quarta-feira.
Nesse contexto, às 10h52, o Ibovespa recuava 0,86% aos 68.095,25 pontos. Nenhuma blue chip estava em alta, ainda que o petróleo continuasse subindo nos mercados de Londres (ICE) e de Nova Iorque (Nymex) - fato que, geralmente, influencia positivamente as ações da Petrobras.
No cenário doméstico, o investidor segue atento a novidades na discussão da pauta municipalista, sendo que os prefeitos seguem em Brasília onde é realizada a XX Marcha. À tarde, o presidente Michel Temer se encontra com os presidentes das comissões no Senado para tratar da reforma trabalhista e fechar o calendário de votações.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia