Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 16 de maio de 2017. Atualizado às 17h13.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

Alterada em 16/05 às 17h14min

Petróleo fecha em queda, com relatório da AIE e produção dos EUA no radar

Os contratos futuros de petróleo fecharam em baixa nesta terça-feira, revertendo parte dos ganhos registrados nas últimas quatro sessões. Com comportamento volátil durante o dia, o petróleo foi influenciado pelo relatório da Agência Internacional de Energia (AIE), que afirmou que uma possível extensão nos cortes da produção de petróleo pode não reduzir os estoques globais da commodity.
Na New York Mercantile Exchange (Nymex), o petróleo WTI fechou em queda de 0,39%, a US$ 48,66 por barril. Já na Intercontinental Exchange (ICE), o petróleo tipo Brent recuou 0,33%, a US$ 51,65 por barril.
No início do dia, a AIE afirmou que a possível extensão de cortes na produção de petróleo poderá não ajudar a reduzir os estoques globais da commodity para os níveis desejados. Em seu relatório mensal sobre o mercado de petróleo, a agência informou que os estoques dos países mais industrializados diminuíram cerca de 1 milhão de barris por dia (bpd) em março, mas ressaltou que ainda há muito trabalho a ser feito no segunda metade do ano para que elas caiam ainda mais.
Preocupações com a produção dos Estados Unidos voltaram a ganhar força nesta terça-feira, pouco antes da divulgação do relatório do American Petroleum Institute (API), no fim da tarde, e do relatório semanal de estoques do Departamento de Energia (DoE) do país.
No entanto, as perdas foram limitadas, já que o mercado continua a digerir a declaração conjunta da Arábia Saudita e da Rússia, que apoiaram uma extensão no acordo de redução da oferta dos membros da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) e de outros grandes produtores até o fim de março de 2018. 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia