Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 15 de maio de 2017. Atualizado às 10h26.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

Alterada em 15/05 às 10h28min

Com IBC-Br mensal, IPCA abaixo de 4% no Focus e dólar fraco, juros curtos caem

As taxas no mercado de juros futuros iniciaram a sessão desta segunda-feira (15) mais baixas do que o observado no ajuste de sexta-feira. Menos de meia hora depois, entretanto, o viés de queda observado nas taxas intermediárias e longas migrou para um viés de alta. Nesses contratos, agentes observam um ajuste de preços depois de quatro sessões consecutivas fechando em queda.
O leve recuo nas taxas logo na abertura do mercado aconteceu com os agentes avaliando a queda do Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br) em março - em relação a fevereiro e também ante março do ano passado - e também a alta do indicador de atividades no primeiro trimestre deste ano.
Além disso, os agentes do mercado digeriam a nova revisão para baixo no Relatório de Mercado Focus para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) de 2017. Pela primeira vez, a mediana das projeções do mercado veio abaixo de 4%.
Às 9h40min, o DI para janeiro de 2018 estava em 9,12% ante 9,14% no ajuste de sexta-feira. O DI para janeiro de 2019 marcava 8,97% ante 8,96% no ajuste de sexta-feira. E o DI para janeiro de 2021 estava em 9,69% ante 9,67%.
Do noticiário doméstico, agentes do mercado de juros têm no radar a decisão do governo de perdoar os juros da dívida da contribuição social do empregador rural e editar uma medida provisória para tratar do passivo do Funrural, que pode superar R$ 10 bilhões. O presidente Michel Temer se reúne com a bancada nesta segunda e deve anunciar a medida como moeda de troca para o apoio à reforma previdenciária.
Na sexta-feira, o presidente do Banco Central, Ilan Goldfajn, voltou a dizer que o grau de antecipação do ciclo depende da conjuntura econômica de um lado e, por outro, das incertezas e dos fatores de risco que ainda pairam sobre a economia._
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia