Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 15 de maio de 2017. Atualizado às 08h13.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

Alterada em 15/05 às 08h15min

Bolsas da Ásia e Pacífico fecham majoritariamente em alta

As bolsas da Ásia e do Pacífico fecharam majoritariamente em alta nesta segunda-feira (15), apesar do novo teste de míssil realizado pela Coreia do Norte no fim de semana e do recente ataque cibernético que atingiu empresas, hospitais e agências governamentais em dezenas de países. Um forte avanço do petróleo durante a madrugada, em meio à perspectiva de que os cortes na produção da commodity sejam estendidos, ajudou a melhorar o sentimento na região.
Na China, empresas de tecnologia de informação acabaram sendo beneficiadas pelo ataque mundial a computadores. Foi o caso da Bluedon e da Green League Tech, que atingiram o limite de valorização diária de 10%. Ações ligadas a Xiongan, o projeto de futura zona econômica chinesa, e do setor imobiliário também se destacaram positivamente. O índice Xangai Composto subiu 0,22% hoje, a 3.090,23 pontos, enquanto o menos abrangente Shenzhen Composto avançou 0,37%, a 1.827,02 pontos.
Os mercados chineses ficaram no azul apesar de indicadores oficiais mostrarem que a produção industrial e as vendas no varejo da segunda maior economia do mundo cresceram em ritmo mais contido em abril. Na comparação anual, a produção industrial chinesa teve expansão de 6,5% no mês passado, após avançar 7,6% em março, enquanto as vendas no varejo subiram 10,7% em abril, depois de exibirem ganho de 10,9% no mês anterior.
Em outras partes da região asiática, o Hang Seng teve alta de 0,86% em Hong Kong, a 25.371,59 pontos, renovando máxima em 21 meses, enquanto o Taiex avançou 0,5%, a 10.036,82 pontos, tocando o maior patamar em 17 meses, o sul-coreano Kospi subiu 0,20% em Seul, a 2.290,65 pontos, mas o filipino PSEi contrariou a tendência positiva e recuou 0,55% em Manila, a 7.772,93 pontos.
Em Tóquio, a bolsa japonesa teve baixa apenas marginal no Nikkei, de 0,07%, a 19.869,85 pontos.
O apetite por risco em partes da Ásia foi favorecido por um rali do petróleo, que avançou mais de 2% ao longo da madrugada, em reação a uma proposta da Arábia Saudita e da Rússia de prorrogar os atuais esforços de cortar a produção da commodity por mais nove meses, até março de 2018.
Na Oceania, o mercado australiano foi igualmente beneficiado pelo petróleo e o índice S&P/ASX 200 garantiu ligeira alta de 0,03% em Sydney, a 5.838,40 pontos, depois de um pregão volátil. Além de petrolíferas, subiram também hoje as ações dos quatro maiores bancos da Austrália.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia