Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 12 de maio de 2017. Atualizado às 10h14.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

Alterada em 12/05 às 10h16min

Dólar abre com viés de alta realizando ganhos, mas passa a cair com exterior

O dólar passou a cair ante o real e registrou mínima aos R$ 3,1331 (-0,31%) por volta das 9h40min desta sexta-feira (12) em meio à alta do petróleo, que vinha em baixa desde cedo em meio a uma realização parcial dos ganhos de mais de 4% computados nas últimas duas sessões, segundo um operador de corretora de câmbio. O recuo dos juros futuros em meio aos fracos dados de serviços do País em março também pesa.
Os ajustes frente o real ocorrem também paralelamente ao enfraquecimento do Dollar Index, que exibia queda de 0,30% a 99,330 pontos às 9h46min.
No começo dos negócios, no entanto, predominou um viés de alta, que acompanhava naquele momento a discreta alta do Dollar Index e também em relação a divisas emergentes, como peso chileno, peso mexicano e lira turca, entre outras.
A princípio houve um movimento discreto de recomposição de posições compradas, após o desmonte nas últimas duas sessões conduzido por tesourarias de bancos e investidores estrangeiros, que amparou perdas de 1,58% para o dólar frente o real, afirmou o mesmo operador.
Às 9h48min, o dólar à vista caía 0,46%, aos R$ 3,1311. O dólar futuro para junho estava em baixa de 0,36%, aos R$ 3,1445. Na renda fixa, o DI para janeiro de 2018 estava em 9,155%, 9,180% no ajuste de quinta-feira.
O DI para janeiro de 2019 exibia 9,01%, igual ao ajuste anterior. Já o vencimento para janeiro de 2021 estava em 9,70%, ante 9,73% do ajuste anterior.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia