Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 11 de maio de 2017. Atualizado às 00h22.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

comércio exterior

Notícia da edição impressa de 11/05/2017. Alterada em 10/05 às 21h20min

Brasil e EUA tentam ampliar relação comercial

Encontro entre Temer e Trump está previsto para ocorrer neste ano

Encontro entre Temer e Trump está previsto para ocorrer neste ano


/EVARISTO SA/AFP/JC
Uma delegação de técnicos do Departamento de Comércio dos Estados Unidos está no Brasil discutindo medidas para facilitar o comércio entre os dois países. "Há espaço para bons avanços concretos, numa visão muito orientada a resultados", disse o secretário de Comércio Exterior, Abrão Neto, que coordena os entendimentos pelo lado do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (Mdic). Algumas das medidas discutidas nesses encontros poderão integrar a agenda de uma reunião de trabalho entre os presidentes do Brasil, Michel Temer, e dos Estados Unidos, Donald Trump, que deverá ocorrer ainda neste ano.
O comércio entre os dois países cresceu 18% neste ano, segundo o secretário. Em 2016, o número de empresas brasileiras que exportaram para os EUA cresceu 11,6% e, nos primeiros quatro meses deste ano, houve uma nova expansão, de 5,6%.
Ele atribui esses resultados a um trabalho que as burocracias dos dois países desenvolvem desde 2006 para facilitar o comércio bilateral. A eliminação de travas aos negócios é o centro das relações comerciais, uma vez que não há, nem está em discussão, um acordo de livre comércio.
Na atual rodada, por exemplo, os técnicos concordaram que, em seis meses, as exportações de produtos agropecuários serão autorizadas mediante a apresentação de certificados fitossanitários digitais, e não mais em papel, como é hoje. "Isso vai beneficiar um comércio que chega a US$ 4 bilhões", disse Abrão. Os principais produtos atendidos pela medida são: madeira, frutas, café e cacau. Já está em operação um projeto-piloto desse documento. Ele deverá ser adotado para as exportações para os demais países.
Hoje, técnicos dos dois países participam de um workshop em São Paulo para colocar em contato empresas interessadas em exportar para os EUA e os laboratórios e certificadoras que fazem uma análise prévia para verificar se os produtos estão em conformidade com as normas técnicas exigidas lá. Essa certificação é obrigatória e, até há pouco tempo, a única forma de obtê-la era enviar uma amostra do produto aos EUA. Agora, já há estabelecimentos no Brasil habilitados a fazer esse trabalho, mas essa facilidade é pouco conhecida.
Brasil e Estados Unidos integram o acordo de facilitação de comércio anunciado neste ano pela Organização Mundial do Comércio (OMC). Uma das medidas previstas nele é a adoção de uma "janela única" para as transações comerciais. O Brasil lançou seu Portal Único do Exportador em março passado.
Por coincidência, a primeira exportação registrada nele foi para os EUA: uma venda de partes e peças da indústria aeronáutica. Os dois países atuam em conjunto para que outros parceiros comerciais adotem as normas da OMC.
A data do encontro entre Temer e Trump ainda não está marcada. O ministro das Relações Exteriores, Aloysio Nunes, deverá ir em junho a Washington para reunir-se com o secretário de Estado, Rex Tillerson, e avançar nos preparativos. Além de comércio, a agenda deverá passar por outros temas, como por exemplo o uso da base de lançamento de Alcântara (MA) e a segurança na fronteira.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia