Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 08 de maio de 2017. Atualizado às 18h05.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado Financeiro

Alterada em 08/05 às 18h06min

Exterior e cautela política levam dólar a fechar no maior nível em quase 4 meses

O dólar fechou no maior nível em quase quatro meses ante o real, seguindo o comportamento da moeda americana no exterior em meio a uma fraqueza das commodities. Ainda assim, depois de cair 1%, o petróleo conseguiu fechar em alta, o que reduziu levemente a pressão em cima da divisa brasileira na etapa vespertina.
A valorização do dólar ante as principais moedas foi ajudada pela realização de lucros do euro, após Emmanuel Macron vencer a eleição presidencial na França e um dado ruim sobre a balança comercial da China. No âmbito doméstico, o mercado segue na expectativa antes da votação dos destaques ao texto da reforma da Previdência na Comissão Especial da Câmara, marcado para amanhã, monitorando ainda a ida de integrantes do PT à Curitiba na quarta-feira, onde o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva deverá prestar depoimento ao juiz Sérgio Moro.
O dólar à vista no balcão terminou o pregão em alta de 0,66%, a R$ 3,1960, no maior nível desde 19 de janeiro (R$ 3,2065), após atingir máxima do dia a R$ 3,2055 e mínima a R$ 3,1750. O giro registrado na clearing de câmbio da B3 foi de US$ 816,654 milhões. No mercado futuro, o dólar para junho ganhava 0,61% por volta das 17h15, a R$ 3,2155. O volume de negócios somava US$ 9,84 bilhões.
Embora o petróleo tenha terminado em leve alta, os preços seguem em níveis baixos. Além disso, o cobre e o minério de ferro reagiram mal a dados abaixo do esperado da balança comercial da China, o que refletiu diretamente nas moedas ligadas a commodities. No fim da tarde, o dólar subia a 19,1679 pesos mexicanos (+0,94%) e avançava a 3,5835 liras turcas (+1,11%).
Além disso, os investidores seguiram se ajustando à ideia praticamente certa de que o Federal Reserve (Fed, o BC dos EUA) deverá elevar os juros em junho, após o payroll divulgado na última sexta-feira.
No cenário doméstico, a ansiedade com a votação dos destaques do texto da reforma da Previdência na Comissão Especial da Câmara esteve no radar dos investidores, assim como o depoimento de Lula a Moro na quarta-feira. Integrantes da bancada do PT da Câmara e do Senado se organizam para desembarcarem nesta quarta-feira em Curitiba. A expectativa de integrantes do PT é de comparecerem ao menos 10 mil militantes em atos organizados pela Frente Brasil Popular.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia