Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 08 de maio de 2017. Atualizado às 18h02.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado Financeiro

Alterada em 08/05 às 18h04min

Ibovespa recua 0,28% sob influência de commodities

A Bovespa iniciou a semana com um pregão guiado basicamente pelas oscilações das commodities e pelo noticiário corporativo doméstico. Dados fracos da economia chinesa geraram uma nova rodada de quedas das commodities metálicas e contribuíram também para a volatilidade do petróleo. Assim, foi limitada a reação dos mercados à confirmação da vitória de Emmanuel Macron nas eleições presidenciais da França. Nesse cenário, o Índice Bovespa terminou o dia em baixa de 0,28%, aos 65.526,04 pontos. O volume de negócios somou R$ 5,9 bilhões, o mais baixo em um mês.
O Ibovespa chegou a subir até 0,46% pela manhã, mas sucumbiu diante do cenário externo mais adverso. Dados da balança comercial chinesa bem abaixo do esperado favoreceram uma queda de 2,56% do minério de ferro no mercado à vista local. Os números mais fracos e as dúvidas quanto à firmeza da demanda da segunda maior economia do mundo também derrubaram os preços do cobre, que recuaram 1,38% na divisão de metais da bolsa de Nova Iorque (Comex). O petróleo, por sua vez, alternou altas e baixas e acabou fechando em terreno positivo, com a recomposição das fortes perdas acumuladas na última semana.
Alinhadas às suas pares no exterior, as ações da Vale tiveram perdas de 0,08% (ON) e de 0,80% (PNA). Já os papéis da Petrobras não acompanharam integralmente a recuperação do petróleo no fechamento e terminaram o pregão com perdas de 0,61% (ON) e de 0,91% (PN). As quedas são atribuídas a uma correção às fortes altas da sexta-feira, 5, uma vez que as operações na Bolsa têm sido concentradas no curto prazo. No acumulado do ano, no entanto, os papéis somam perdas de 13,11% e 5,31%, respectivamente.
As ações do setor financeiro também tiveram influência sobre o resultado negativo final do Ibovespa. A exceção foi Itaú Unibanco PN, que avançou 0,23%. As units do Santander caíram 1,19% e os papéis do Banco do Brasil recuaram 2,51%, em reação à notícia de que o Tesouro Nacional vendará ações da instituição em até 24 meses. Serão vendidos os papéis do BB detidos pelo Fundo Fiscal de Investimentos e Estabilização (FFIE), do qual a União é única cotista com recursos do Fundo Soberano.
Entre as ações que fazem parte da carteira do Ibovespa, as maiores quedas foram de Eletrobras PNB (-4,46%), Copel PNB (-3,95%) e CSN ON (-3,24%). Já as altas mais significativas do índice ficaram com Cosan ON (+2,92%), Qualicorp ON (+2,38%) e BB Seguridade ON (+2,37%).
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia