Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 08 de maio de 2017. Atualizado às 17h10.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado Financeiro

Alterada em 08/05 às 17h12min

Juros futuros fecham estáveis apesar de alta firme do dólar

Os juros futuros continuaram rondando os ajustes anteriores até o fechamento da sessão regular desta segunda-feira (8) cuja agenda e noticiários com poucos destaques deixaram o mercado à deriva, sem firmar tendência. O volume de contratos foi mais fraco. A taxa do contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) para janeiro de 2018 (151.960 contratos) encerrou em 9,400%, de 9,395% no ajuste de sexta-feira, 5. O DI janeiro de 2019 (151.320 contratos) fechou com taxa de 9,27%, de 9,29% no último ajuste. A taxa do DI janeiro de 2021 (104.230 contratos) ficou estável em 9,95%.
As taxas oscilaram ao redor dos níveis da sexta-feira desde a parte da manhã, em meio à expectativa positiva com a votação dos destaques da reforma da Previdência amanhã na comissão especial da Câmara e também na espera do Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) de abril na quarta-feira (10). O dólar, que esteve em alta firme durante todo o dia, exerceu alguma influência nas taxas que, contudo, não acompanharam a pressão do câmbio na mesma magnitude.
O ministro da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (MDIC), Marcos Pereira, disse não ter dúvida de que a proposta com os destaques passará pela Comissão. "Agora, o Plenário da Câmara é uma discussão à parte, é um tanto quanto mais difícil. Tenho confiança de que nós a aprovaremos, mas isso exigirá um esforço maior de todos nós", afirmou o ministro.
O resultado da eleição na França, vetor que poderia definir alguma trajetória para as taxas, acabou sendo um não evento, uma vez que a vitória do candidato de centro, Emmanuel Macron, já havia sido antecipada pelas pesquisas de intenção de votos e precificada pelo mercado. No entanto, acabou servindo de justificativa para uma realização de lucros em alguns ativos, como o dólar no exterior. O ex-ministro da Economia de tendência social-liberal venceu a nacionalista Marine Le Pen com 65,8% dos votos contra 34,2%, e assumirá o Palácio do Eliseu na próxima semana.
Antes da abertura, o Boletim Focus mostrou queda marginal na mediana das estimativas para o IPCA 2017, de 4,03% para 4,01%, mas, em contrapartida, a mediana para 2018 avançou, de 4,30% para 4,39%. Houve piora ainda na inflação suavizada para os próximos 12 meses, 4,64% para 4,72%.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia