Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, domingo, 07 de maio de 2017. Atualizado às 22h28.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

energia

Notícia da edição impressa de 08/05/2017. Alterada em 07/05 às 20h32min

Fiergs lamenta importação deenergia neste mês do Uruguai

Sob a justificativa de buscar a modicidade tarifária (um custo razoável para as contas de luz), o governo federal iniciou, na primeira semana de maio, a importação de energia a partir do Uruguai. O coordenador do grupo temático de energia da Fiergs, Edilson Deitos, lamenta a adoção desse tipo de prática, já que o Brasil conta com um vasto potencial de geração, seja térmica, eólica ou hídrica, represado pela demora nas licenças ambientais ou por falta de linhas de transmissão.
Conforme informações do Ministério de Minas e Energia, foi definida, para a primeira semana de maio, a importação de 50 MW médios, através da conversora de Rivera, no Uruguai, que possui capacidade de 70 MW. O valor importado, durante uma semana, equivale a 8,4 mil MWh, suficiente para atender a cerca de 225 mil residências nesse período. Semanalmente, serão definidos pelo Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS), nas revisões do Programa Mensal da Operação, os montantes de energia a serem importados. O ministério ressalta que a ação só ocorrerá se a energia a ser importada estiver mais barata que a disponível no Sistema Interligado Nacional (SIN). A eletricidade a ser trazida para atender ao mercado brasileiro é proveniente de diversos tipos de fonte que compõem a matriz energética uruguaia.
CONTINUE LENDO ESTA NOTÍCIA EM NOSSA EDIÇÃO PARA FOLHEAR
CLIQUE AQUI PARA ACESSAR
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia