Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 05 de maio de 2017. Atualizado às 09h28.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

bebidas

Alterada em 05/05 às 09h45min

Lucro da Ambev recua, pressionado por aumento de custos no Brasil

Estima-se que a empresa, dona das marcas Brahma, Skol e Antarctica, teria recuperado sua participação no mercado de cervejas

Estima-se que a empresa, dona das marcas Brahma, Skol e Antarctica, teria recuperado sua participação no mercado de cervejas


ANA PAULA APRATO/ARQUIVO/JC
Influenciado sobretudo pelo mercado brasileiro, cujos impostos e custos aumentaram, o desempenho da Ambev no primeiro trimestre deste ano ficou abaixo do esperado por analistas, com uma queda de 20,1% no lucro líquido ajustado, de R$ 2,9 bilhões para R$ 2,316 bilhões, na comparação com o mesmo período de 2016.
Os custos brasileiros avançaram principalmente em decorrência de efeitos cambiais. Uma pressão desses custos já era esperada, de acordo com o analista Gabriel Lima, do Bradesco, por causa de operações de hedge (proteção contra flutuações da moeda) desfavoráveis.
A política de hedge cambial da Ambev fez com que o efeito da depreciação do real ocorrida no começo de 2016 sobre o custo de matérias primas dolarizadas, como o alumínio, fosse sentido apenas agora, no primeiro trimestre de 2017. Em relatório, o Itaú BBA, afirmou que também esperava que as operações de hedge prejudicassem os resultados, mas que o dano foi bastante superior ao estimado.
A empresa registrou ainda Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) ajustado de R$ 4,356 bilhões, retração de 17,3% na comparação anual. A margem Ebitda chegou a 38,7%, recuo de 6,8 pontos porcentuais.
Apesar do resultado fraco, as ações ordinárias da companhia encerraram o dia com alta de 2,53%, valendo R$ 19,03. O mercado recebeu bem a notícia de que as vendas de cerveja em volume da Ambev cresceram pela primeira vez em cinco trimestres. A alta foi de 3,4% entre janeiro e março, enquanto o mercado recuou 2%, o que levou a companhia a recuperar a participação de mercado - no ano passado, a empresa havia registrado retração de 6,7% no volume comercializado, enquanto o mercado recuara 5,5%.

Empresa recupera participação no mercado

A Ambev não divulgou seu novo “market share”, mas analistas do BTG Pactual calcularam que a fatia da empresa no mercado brasileiro de cervejas tenha ficado entre 68% e 69%. Por essa estimativa, a companhia pode ter ganho quase três pontos porcentuais de share na comparação com os 66,3% do fim de 2016. De acordo com relatório do Itaú BBA, o aumento na participação foi de dois pontos e ocorreu principalmente por causa dos patrocínios de Carnaval. O presidente da Ambev, Bernardo Paiva, destacou que este foi o melhor e maior Carnaval da história da empresa - houve ações de marketing em 40 cidades, atingindo 35 milhões de pessoas.
Segundo o executivo, a Ambev perdeu mercado em 2016 porque, com a crise, houve uma migração do consumo para as marcas mais baratas - segmento em que a companhia não atua. Um dos trabalhos da empresa para reverter a tendência, segundo Paiva, foi investir em marketing para que o consumidor não abra mão das marcas que já estava acostumado.
Outra medida adotada foi reforçar a presença das garrafas retornáveis de 300 ml nos supermercados, cujo preço por litro é 30% inferior ao das latinhas. “O custo de aquisição (da garrafa) é menor porque o custo de produção é inferior, já que elimina o custo com embalagem”, destacou Paiva.
Os vasilhames de vidro correspondem hoje a 25% das vendas da empresa no supermercado. Para Gabriel Lima, do Bradesco, as garrafas de vidro de 300 são uma “excelente ideia” da empresa por garantir margens maiores, mas o produto ainda é subestimado pelo investidor. “É um acerto no longo prazo, mas que prejudica no curto por aumentar a complexidade da cadeia logística (pois as garrafas precisam ser recolhidas)”, disse ao Estado.
Paiva destacou ainda que a empresa investiu R$ 1,5 milhão para desenvolver uma máquina própria de coleta de vasilhame e que a Bohemia também passará a ser vendida nas garrafas de 300 ml, como já é feito com Brahma, Skol e Antarctica. 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia