Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 03 de maio de 2017. Atualizado às 20h33.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

reforma da previdência

03/05/2017 - 20h22min. Alterada em 03/05 às 20h33min

Agentes penitenciários protestam após ficarem de fora de aposentadoria especial

Agentes penitenciários ocuparam, na última terça-feira, o prédio do Ministério da Justiça contra a reforma da previdência

Agentes penitenciários ocuparam, na última terça-feira, o prédio do Ministério da Justiça contra a reforma da previdência


Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil/Divulgação/JC
Agência Brasil
Após a desistência do relator da reforma da Previdência na Câmara, deputado Arthur Maia (PPS-BA), de incluir os agentes penitenciários nas regras especiais de aposentadoria de policiais, um grupo de representantes da categoria organizou um protesto na entrada da ala de comissões da Câmara. O acesso ao local foi fechado e os manifestantes estão do lado de fora do prédio.
No início da reunião da comissão que analisa a reforma, na manhã de hoje, Maia inclui os agentes na regra especial de idade mínima de aposentadoria de policiais (55 anos). No entanto, após o intervalo do almoço, no retorno da sessão, o relator voltou atrás e desistiu da inclusão.
Segundo ele, a decisão da manhã foi muito criticada por parlamentares porque o Legislativo estaria cedendo à pressão dos agentes penitenciários, que ocuparam ontem (2) o prédio do Ministério da Justiça em protesto contra a reforma.
"Indiquei a nossa decisão de incluir os agentes penitenciários. Mas, desde que terminei de ler o meu parecer, recebi centenas de mensagens de parlamentares revoltados com essa condição alegando que se trata de uma genuflexão do Legislativo e um movimento que foi feito ontem", disse Maia. "Vou deixar esse assunto ser resolvido pelo plenário", acrescentou.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia