Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 02 de maio de 2017. Atualizado às 22h45.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

contas públicas

Notícia da edição impressa de 03/05/2017. Alterada em 02/05 às 21h27min

Estados não se sustentam sem repasses federais

Estudo da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (Fecomercio-SP) mostra que, com a falta de controle sobre as finanças públicas, estados e municípios se tornaram dependentes dos recursos repassados pela União. O levantamento foi feito com base nos dados do relatório da Secretaria da Receita do Tesouro Nacional com a radiografia das finanças dos estados entre 2012 a 2015.
Entre os 26 estados e Distrito Federal, 15 registraram déficit primário em 2015, sendo que 12 destes estados deficitários seguem em trajetória de deterioração das contas públicas e apenas três (Acre, Amapá e Roraima) realizam ajustes fiscais para estancar os prejuízos. Os maiores déficits primários em 2015 foram registrados no Rio de Janeiro (R$ 3,6 bi em 2015), Rio Grande do Sul (R$ 1,9 bi), Distrito Federal (R$ 1,7 bi) e Minas Gerais (R$ 1 bi).
Os repasses feitos pela União representam em média 24% dos orçamentos estaduais. A média de repasses do governo federal aos municípios representa pouco menos de 18%.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia