Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 01 de maio de 2017. Atualizado às 22h48.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Finanças Pessoais

Notícia da edição impressa de 02/05/2017. Alterada em 01/05 às 22h44min

Queda da inflação melhora renda, mas dívida alta mantém consumo retraído

Crise provocou uma grande mudança de comportamento nas pessoas

Crise provocou uma grande mudança de comportamento nas pessoas


/MARCOS SANTOS/USP IMAGENS/IMAGENS PÚBLICAS/DIVULGAÇÃO/JC
A estabilidade da renda proporcionada pela queda na inflação dos últimos meses ainda não deve se transformar em maior poder de compra para os consumidores. Isso porque a deterioração do mercado de trabalho aliada a um forte endividamento das famílias devem travar o consumo até o fim de 2017, afirmam especialistas.
A intensidade e a duração da recessão econômica atual, que levou o País a atingir em março número recorde de 14,2 milhões de desempregados, fez com que a prioridade das pessoas fosse olhar com lupa o seu orçamento, de modo a quitar débitos atrasados e cortar qualquer gasto que fosse desnecessário.
CONTINUE LENDO ESTA NOTÍCIA EM NOSSA EDIÇÃO PARA FOLHEAR
CLIQUE AQUI PARA ACESSAR
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia