Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 28 de abril de 2017. Atualizado às 17h42.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Operação Lava Jato

27/04/2017 - 10h22min. Alterada em 27/04 às 10h22min

Cabral e Adriana Ancelmo embarcam para Curitiba, onde darão depoimentos a Moro

Desde novembro, Cabral está preso no Complexo Penitenciário de Gericinó, em Bangu

Desde novembro, Cabral está preso no Complexo Penitenciário de Gericinó, em Bangu


FERNANDO FRAZ/ABR/JC
O ex-governador do Rio Sérgio Cabral Filho (PMDB) e a ex-primeira-dama Adriana Ancelmo foram escoltados no início da manhã desta quinta-feira (27), por policiais federais para o Aeroporto Internacional do Galeão. Eles foram levados para embarcar para Curitiba, onde prestarão depoimento às 14h para o juiz Sérgio Moro, da 13ª Vara Federal. Os depoimentos serão prestados no processo que investiga o suposto recebimento de propinas na construção do Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj).
Agentes da Polícia Federal levaram Adriana, sob escolta, do apartamento onde cumpre prisão domiciliar no Leblon, na zona sul do Rio, por volta das 5h30min. Já Cabral foi levado às 7h da sede da Polícia Federal, na zona portuária da capital.
O ex-governador dormiu lá depois que o avião da PF em que o casal embarcaria, na noite de quarta-feira (26), apresentou problemas técnicos; Adriana, que também fora levada para embarcar, foi conduzida de volta para casa.
Desde novembro, Cabral está preso no Complexo Penitenciário de Gericinó, em Bangu, na zona oeste do Rio. O ex-governador é acusado de corrupção na Operação Calicute.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
jose ayres 28/04/2017 17h39min
As greve de sexta-feira proposta pelas centrais sindicais se deve a indignação da prisão de ex governador do Rio Cabral e esposa!