Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sábado, 22 de abril de 2017. Atualizado às 15h48.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

reforma da previdência

21/04/2017 - 17h30min. Alterada em 22/04 às 15h54min

FMI afirma que reforma da Previdência é 'imperativa' no Brasil

Diretor do fundo alerta que é preciso consolidar avanços fiscais

Diretor do fundo alerta que é preciso consolidar avanços fiscais


MANDEL NGAN/AFP/JC
Agência O Globo
Alejandro Werner, diretor do Departamento do Hemisfério Ocidental do Fundo Monetário Internacional (FMI), informou na tarde desta sexta-feira, em publicação divulgada pelo Fundo, que a reforma da Previdência no Brasil é "imperativa". Ele afirmou que o país voltou a crescer, mas alertou que é preciso consolidar avanços fiscais.
"É imperativo empreender uma reforma de grande alcance da seguridade social para restabelecer a sustentabilidade fiscal e garantir que o sistema de aposentadoria esteja em condições de sustentar as futuras gerações dos brasileiros", escreveu Werner.
Em sua análise, ele afirma que a retomada do Brasil para o crescimento econômico após dois anos de profunda recessão está sendo apoiada pelo saque das contas inativas do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS), pela colheita recorde de soja, pela recuperada do preço do minério de ferro e pela queda da inflação.
Com a volta do Brasil e da Argentina ao crescimento, toda a América Latina sairá da recessão que foi registrada no ano passado, quando a produção conjunta da região caiu 1%, para uma alta de 1% neste ano e de 2% no ano que vem. Eles destacou, contudo, o resultado ruim da Venezuela, que após cair 18% em 2016 vai viver uma nova retração de 7,1% neste ano.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia