Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, domingo, 16 de abril de 2017. Atualizado às 22h33.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Operação Lava Jato

Notícia da edição impressa de 17/04/2017. Alterada em 16/04 às 22h29min

Presidente nega ter falado em valores com Odebrecht

 Peemedebista admite que reunião teria ocorrido em São Paulo

Peemedebista admite que reunião teria ocorrido em São Paulo


BETO BARATA/PR/JC
O presidente Michel Temer (PMDB) disse ter achado "desagradável" e "constrangedor" ver seu nome citado por um ex-executivo da Odebrecht, que disse, em depoimento em colaboração premiada à Operação Lava Jato, ter participado de uma reunião com o então vice-presidente na qual foi acertada doação via caixa-2 no valor de U$ 40 milhões ao PMDB. "É uma coisa desagradável para quem está na vida publica há tanto tempo, graças a Deus sem manchas. É muito desagradável ouvir aquele depoimento. É constrangedor", disse Temer em entrevista à TV Bandeirantes veiculada neste sábado à noite. "Foi uma coisa que me caceteou muito."
Na entrevista, o presidente reafirmou ter participado da reunião, que teria ocorrido no escritório político de Temer, em São Paulo, em julho de 2010, e voltou a negar ter discutido valores. "Não sabia de valores. Não se falou de contratos, evidentemente, e de nenhum tema escuso. Não tratamos de valores, nada disso", disse.
CONTINUE LENDO ESTA NOTÍCIA EM NOSSA EDIÇÃO PARA FOLHEAR
CLIQUE AQUI PARA ACESSAR
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia