Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 14 de abril de 2017. Atualizado às 16h37.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Operação Lava Jato

14/04/2017 - 16h00min. Alterada em 14/04 às 16h38min

Delator cita R$ 37 milhões para casal de marqueteiros

Casal de marqueteiros do PT João Santana e Monica Moura teria recebido R$ 37 milhões

Casal de marqueteiros do PT João Santana e Monica Moura teria recebido R$ 37 milhões


CASSIANO ROSÁRIO/FUTURA PRESS/AE/JC
O delator Hilberto Mascarenhas, ex-executivo da Odebrecht, que chefiava o chamado "departamento da propina" do grupo, afirmou à Operação Lava Jato que "Açougueiro" pagou R$ 37 milhões ao casal de marqueteiros do PT João Santana e Monica Moura. O valor, segundo o ex-executivo, inicialmente seria repassado pela empreiteira.
Mascarenhas prestou depoimento à Lava Jato no dia 15 de dezembro do ano passado. Questionado sobre quem seria o "Açougueiro", porém, o ex-executivo disse não saber. "Não sei. Eu fiz uma ilação, acho até de certa forma sem nenhuma base, que seria algum executivo da JBS", afirmou.
A referência ao pagamento consta de e-mail trocado por executivos da Odebrecht em 5 de julho de 2014. A mensagem foi enviada por Marcelo Odebrecht, então presidente do grupo, para Alexandrino Alencar, com cópia para Cláudio Melo Filho, Hilberto Mascarenhas, Luiz Bueno e Benedicto Júnior, todos executivos da empreiteira na época.
No início do mês, o ministro Edson Fachin, relator da Lava Lato no Supremo Tribunal Federal (STF), homologou as delações premiadas de João Santana, Monica Moura e do funcionário do casal André Reis Santana. A homologação do acordo foi feita pelo ministro porque os delatores citaram em seus relatos políticos com foro privilegiado.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia