Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 07 de abril de 2017. Atualizado às 15h07.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

partidos

Alterada em 07/04 às 15h07min

Secretário-geral do PT propõe que Lindbergh seja vice de Gleisi

Na tentativa de evitar um racha de grandes proporções no PT, já há um movimento de bastidores para que o senador Lindbergh Farias (RJ) aceite ser vice de Gleisi Hoffmann na presidência do partido. A candidatura de Gleisi para comandar o PT foi aceita pela corrente Construindo um Novo Brasil (CNB), na segunda-feira à noite, após forte pressão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.
"Eu estou defendendo um grande acordo político entre os dois", disse o secretário-geral do PT, Romênio Pereira. "São duas figuras muito importantes e temos de buscar a unidade. Os dois, com certeza, reforçarão muito a campanha de Lula à Presidência, em 2018."
Um dos líderes da tendência Movimento PT, Pereira afirmou que no 6º congresso do partido, marcado para junho, proporá que o presidente e o primeiro-vice sejam eleitos separadamente dos demais integrantes da chapa, além do aumento dos assentos na Executiva Nacional, de 21 para 22 cadeiras.
Corrente majoritária no PT, a CNB escolheu Gleisi - líder do partido no Senado - para concorrer à sucessão de Rui Falcão após muitas discussões e embates, já que o ex-ministro da Saúde Alexandre Padilha e o deputado Márcio Macêdo (PB), atual tesoureiro do partido, tiveram de retirar seus nomes do páreo.
O problema é que Lindbergh - apoiado pelo grupo Muda PT, que reúne tendências de esquerda - disse a Lula que não tinha como desistir da disputa. O ex-presidente ficou muito irritado e afirmou esperar uma resposta de Lindbergh até domingo. A partir daí, começou a ser construído o acordo, que tende a prosperar, para o senador ser o primeiro vice-presidente do PT.
Gleisi é ré na Operação Lava Jato, acusada de receber R$ 1 milhão do esquema de propinas da Petrobras para sua campanha, em 2010. Ela sempre negou irregularidades e disse que a denúncia é "absurda".
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia