Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 07 de abril de 2017. Atualizado às 14h27.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

justiça eleitoral

07/04/2017 - 14h28min. Alterada em 07/04 às 14h31min

Julgamento da chapa deve terminar 'no mais tardar' no 2º semestre, diz Gilmar

O presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Gilmar Mendes, afirmou nesta sexta-feira (7) que o julgamento da chapa Dilma Rousseff-Michel Temer na Corte deve ser concluído no fim do primeiro semestre ou, "no mais tardar", no segundo semestre deste ano. Ele disse ainda que os ministros do TSE têm pressa para chegar a uma decisão sobre a chapa.
Gilmar está participando de um debate sobre reforma política no Massachusetts Institute of Technology (MIT), em Cambridge, nos Estados Unidos. Junto com ele, estão na mesa o advogado José Eduardo Cardozo, defensor e ex-ministro de Dilma Rousseff (PT) e o deputado Alessando Molon (Rede-RJ).
"A pressa é nossa, nós queremos decidir isso. Certamente vamos terminar isso ou no final deste semestre ou, no mais tardar, no segundo semestre deste ano", disse o ministro. Ele destacou que o processo tem diversas "complexidades", citando a inclusão das delações de executivos e ex-executivos da Odebrecht na instrução do processo.
Depois de levar o julgamento para o plenário, o TSE reabriu na última terça-feira (4) a fase de coleta de provas do processo que investiga a chapa formada por Dilma Rousseff e Michel Temer em 2014, além de autorizar os depoimentos de mais testemunhas, incluindo o marqueteiro da campanha João Santana.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia