Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 06 de abril de 2017. Atualizado às 23h55.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Câmara de Porto Alegre

Notícia da edição impressa de 07/04/2017. Alterada em 06/04 às 21h33min

Secretária critica a centralização de serviços sociais no município

Maria de Fátima quer reforma do sistema social

Maria de Fátima quer reforma do sistema social


HENRIQUE FERREIRA BREGÃO/CMPA/JC
Dando prosseguimento à presença de secretários municipais na Câmara Municipal, a titular da pasta de Desenvolvimento Social, Maria de Fátima Záchia Paludo, esteve na última sessão da Casa para apresentar os trabalhos na proximidade de 100 dias do governo de Nelson Marchezan Júnior (PSDB).
Acompanhada da secretária adjunta da pasta, Denise Ries Russo, e do presidente da Fundação de Assistência Social e Cidadania (Fasc), Solimar Amaro, Maria de Fátima apresentou aos vereadores dados sobre abrigos e albergues, e apontou como um problema sério no contexto social da cidade a alta presença de idosos vivendo em abrigos em vez de estarem assistidos por entidades especializadas para a terceira idade.
Em tom crítico, Maria de Fátima apontou o que considera erros na gestão de políticas sociais em Porto Alegre nos últimos anos. "O que me assusta", disse, "é que, há mais de cinco anos, nesta cidade, não há política pública para as pessoas em situação de rua". Outro alvo de críticas de Maria de Fátima foi a falta de iniciativas conjuntas entre o consultório de rua da Secretaria da Saúde e os projetos de abordagem da Fasc, o que ela diz que se iniciou em sua gestão na pasta. "As coisas não estão dando certo, porque elas foram feitas para não dar certo", disse.
A secretária comentou que Marchezan passou aos secretários que primeiro é preciso fazer um projeto para depois falar dele; mas, se identificando como "um pouco rebelde", trouxe aos vereadores a ideia de desenvolver um projeto-piloto na Lomba do Pinheiro para implantar abrigos e restaurantes populares de modo que políticas sociais sejam descentralizadas. Ela também diz ter "o sonho" de viabilizar em Porto Alegre projetos de condomínios sociais autogeridos, nos moldes dos existentes em Curitiba.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia