Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 06 de abril de 2017. Atualizado às 18h52.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

reforma da previdência

Alterada em 06/04 às 18h55min

Meirelles diz que governo avança na construção do consenso sobre Previdência

O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, afirmou que o governo avançou nesta quinta-feira (6), na construção de um consenso para a aprovação da proposta de reforma da Previdência. Em nota oficial, o ministro disse que a reforma garante recebimento de benefícios no futuro e que as mudanças propostas hoje preservam o ajuste fiscal.
"A reforma da Previdência é necessária para garantir que todos os aposentados receberão seus benefícios no futuro. É uma necessidade, não é questão de posição política", diz o ministro da nota.
Meirelles participou hoje cedo da reunião com o presidente Michel Temer, na qual foram definidos cinco pontos de flexibilização do texto original enviado ao Congresso para conseguir o apoio da proposta.
Segundo o ministro, o governo propôs ao Congresso uma reforma robusta, capaz de enfrentar os gargalos e as injustiças do atual sistema. "O Congresso tem a palavra final quando vota uma proposta de emenda constitucional. A democracia pressupõe diálogo, troca de ideias para chegar a um consenso", ressalta o ministro na nota oficial.
O ministro enfatizou que as mudanças mantêm os principais objetivos da proposta enviada ao Congresso porque preservam o ajuste fiscal e beneficiam os mais pobres. "Hoje, o governo avançou na construção de um consenso visando a aprovação da reforma da Previdência", diz Meirelles.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia