Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 05 de abril de 2017. Atualizado às 17h40.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Operação Lava Jato

Alterada em 05/04 às 17h42min

Oito advogados de casal de marqueteiros do PT renunciam à defesa após delação

Oito advogados do publicitário João Santana e sua mulher Monica Moura - marqueteiros das campanhas presidenciais de Lula (2006) e Dilma (2010 e 2014) - renunciaram à defesa do casal na Operação Lava Jato. A decisão foi tomada logo após a homologação da delação premiada do casal pelo Supremo Tribunal Federal (STF).
Em petição ao juiz federal Sérgio Moro, que conduz a Lava Jato em 1.ª instância, os criminalistas Fabio Tofic Simantob, Débora Gonçalves Perez, Maria Jamile José, Bruna Nascimento Nunes, Luiz Felipe Gomes, Thais Guerra Leandro, Daniel Paulo Fontana Bragagnollo e João Paulo de Castro Bernardes renunciaram sob alegação de "motivos de foro íntimo".
A equipe de advogados cuidava da defesa dos marqueteiros desde que eles se tornaram alvo da Lava Jato. João Santana e Monica Moura foram presos em 2016, mas colocados em liberdade por Moro após o início das negociações para delação.
O acordo de colaboração do casal foi homologado pelo ministro Edson Fachin porque os delatores citaram em seus relatos políticos com foro privilegiado no Supremo.
Na manhã de terça-feira (4) durante o julgamento da ação que pede a cassação da chapa Dilma/Temer, no Tribunal Superior Eleitoral (TSE), o vice-procurador-geral eleitoral Nicolao Dino revelou aos ministros em plenário que João Santana e Monica Moura haviam firmado acordo de delação premiada perante a Procuradoria-Geral da República.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia