Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 04 de abril de 2017. Atualizado às 13h43.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

justiça eleitoral

Alterada em 04/04 às 13h43min

Maia defende julgamento da chapa Dilma-Temer até o meio do ano

Aliado de primeira hora do presidente Michel Temer, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), disse esperar que o julgamento da chapa Dilma Rousseff-Michel Temer ocorra até meados deste ano. "A indefinição é o pior dos mundos. O Brasil não pode ficar um ano nessa dúvida", declarou Maia ao chegar nesta terça-feira (4) ao seu gabinete.
Mais cedo, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) decidiu ouvir mais testemunhas no processo que pede a cassação da chapa Dilma Rousseff-Michel Temer e também acatou pedido da defesa da presidente cassada por mais cinco dias de prazo para alegações finais. Com isso, a fase de coleta de provas foi reaberta e o julgamento que pode gerar a cassação de Temer e a inelegibilidade do peemedebista e da petista foi adiado sem um prazo definido para ser retomado.
No dia 31 de março, o Palácio do Planalto já contava com o adiamento do julgamento. Nesta terça, Maia elogiou a decisão do TSE em garantir novos prazos. "Acho que estava muito cedo para votar um relatório muito extenso", declarou o deputado.
O deputado disse esperar que o TSE tome uma decisão "lá na frente" e que o tema seja encerrado definitivamente. Ele defendeu a separação das prestações de contas de Dilma e Temer. "Acredito que é muito claro que se o presidente Michel Temer teve a prestação de contas separada, não pode ser punido pelos erros da campanha da presidente Dilma", disse.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia