Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 12 de abril de 2017. Atualizado às 00h34.

Jornal do Comércio

Opinião

COMENTAR | CORRIGIR

artigo

Notícia da edição impressa de 12/04/2017. Alterada em 11/04 às 20h24min

Barrar a antirreforma de Temer e Sartori

Adão Villaverde
Afirmei que vivemos, ao menos, em dois Brasis distintos. Um deles é a nação do povo que lembra as conquistas inéditas e históricas dos últimos anos, com avanços sociais, econômicos, educacionais e culturais. Programas como Fome Zero, Bolsa Família, ProUni, Fies, Ciência Sem Fronteiras, Pronatec, Mais Médicos, Farmácias Populares, Luz para Todos, Minha Casa Minha Vida, os 36 milhões de brasileiros saídos da miséria, os 40 milhões que ascenderam à classe média.
O outro Brasil é a nação do ódio, da intolerância e de uma antirreforma de Estado em curso - que renuncia às suas funções públicas para favorecer o rentismo, a captura do Estado pela financeirização, a submissão ao capital internacional e o entreguismo. Neste País, o Rio Grande se insere plenamente, com a adesão de primeira hora do governador José Ivo Sartori (PMDB) e a mesma cartilha do desmonte neoliberal que ataca os direitos históricos dos trabalhadores e entrega o patrimônio público.
É obrigatório evitar o enorme retrocesso que se agiganta com as propostas do ilegítimo presidente Michel Temer (PMDB); é preciso denunciar, esclarecer, sensibilizar a todos para a enorme dimensão deste golpe ainda em curso que, na realidade, é mais do que uma "reforma" aqui e outra acolá, mas evidencia uma brutal antirreforma estrutural no Estado brasileiro que penaliza o povo.
É imperioso que a sociedade se mobilize, pressione e lute, permanentemente, em todos os momentos e lugares, sobretudo para não permitir tão perniciosa mudança no nosso direito de viver hoje e no futuro de nossos descendentes. Resistir é obrigatório. À luta, mais do que nunca necessária, contra a retirada dos nossos direitos e das gerações que nos sucederão.
Deputado estadual (PT)
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia