Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 14 de abril de 2017. Atualizado às 13h04.

Jornal do Comércio

Opinião

CORRIGIR

artigo

Notícia da edição impressa de 10/04/2017. Alterada em 14/04 às 13h06min

Marchezan, 100 dias de cultura

FREDY VIEIRA/JC
Luciano Alabarse
Cem dias? Parecem mil, um milhão. Intensos e desafiadores suplantam expectativas e previsões. Vivê-los tem sido uma grande e transformadora experiência de vida, um chamamento à superação de obstáculos herdados e ao aprendizado de novas formas de gestão. A administração proposta pelo prefeito Nelson Marchezan Júnior (PSDB) empolga quem a conhece sem juízos prévios e preconceituosos. O novo prefeito tem me feito refletir sobre política, como nunca antes. Vendo, na campanha, aquele homem caminhando sem parar e olhando com determinação para o futuro, acreditei encontrar nele, no presente, uma sinceridade diferenciada dos políticos tradicionais. Fiz bem. Trabalhando com ele, sou testemunha: Marchezan é um homem firme, íntegro e determinado. Um líder que também sabe ser leve e bem-humorado. Atravessar uma crise financeira sem precedentes, como a que Porto Alegre enfrenta, e mesmo assim semear esperança entre seus liderados, não é tarefa para qualquer um.
Ele tira de letra. Sabe o que quer, e quer o melhor.Quer seu governo voltado às crianças e aos pobres, como tantas vezes tem enfatizado aos secretários. Quis conhecê-lo para esclarecer o que me inquietava em relação ao futuro municipal da Cultura. Confiei nele e não me arrependi. Pelo contrário. Para quem ia acabar com a secretaria, o inventário cultural de seus primeiros 100 dias de governo é admirável: oficialização da Companhia Municipal de Dança, reinauguração da Cinemateca Capitólio, Semana de Porto Alegre inovadora e descentralizada, e, sem pressões partidárias, a liberdade para escolhermos, eu e Eduardo Wolf, os melhores nomes para tocar nosso barco. Marchezan é hoje uma grata e bem-vinda surpresa da política brasileira. Sem factóides, sem pompas e sem medo, está preparado para tirar Porto Alegre do marasmo e do abismo onde a cidade caiu. Encontrou no vice-prefeito Gustavo Paim o parceiro adequado para ajudá-lo na gigantesca tarefa que esses tempos impõem. Uma dupla imbatível.
Secretário municipal de Cultura
CORRIGIR
Seja o primeiro a comentar esta notícia