Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 17 de abril de 2017. Atualizado às 22h45.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

Coreia do Sul

Notícia da edição impressa de 18/04/2017. Alterada em 17/04 às 22h40min

Promotoria indicia Park Geun-hye por escândalo de corrupção

Promotores sul-coreanos indiciaram ontem a ex-presidente Park Geun-hye por acusações relativas ao escândalo de corrupção que resultou no seu impeachment. O caso já levou ao indiciamento de mais de 30 figuras proeminentes do governo e do setor corporativo da Coreia do Sul, incluindo o herdeiro do grupo Samsung, Lee Jae-yong. Ontem, foi indiciado Shin Dong-bin, presidente do conselho de administração do grupo Lotte, quinto maior conglomerado do país.
Segundo a promotoria, Park teve um papel central no escândalo, que veio à tona em 2016 após uma emissora noticiar que a então presidente havia compartilhado documentos confidenciais do governo com a amiga íntima, Choi Soon-sil. A suspeita é que Choi usou sua amizade com a presidente para interferir em assuntos federais e garantir seu enriquecimento ilícito. A acusação é que Park usou de sua autoridade para obter 77,4 bilhões de wons (US$ 68 milhões) de 18 conglomerados. O montante teria sido doado a entidades ligadas a Choi.
CONTINUE LENDO ESTA NOTÍCIA EM NOSSA EDIÇÃO PARA FOLHEAR
CLIQUE AQUI PARA ACESSAR
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia