Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 17 de abril de 2017. Atualizado às 08h29.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

Coreia do Sul

17/04/2017 - 08h32min. Alterada em 17/04 às 08h32min

Ex-presidente sul-coreana é oficialmente acusada por corrupção

Park Geun-hye pode ser condenada a um mínimo de dez anos de prisão e, inclusive, à prisão perpétua

Park Geun-hye pode ser condenada a um mínimo de dez anos de prisão e, inclusive, à prisão perpétua


NELSON ALMEIDA/AFP/JC
Agência Brasil
A promotoria da Coreia do Sul acusou nesta segunda-feira (17) oficialmente a ex-presidente Park Geun-hye por delitos relacionados a um esquema de corrupção, pelos quais pode ser condenada a um mínimo de dez anos de prisão e, inclusive, à prisão perpétua. A informação é da Agência EFE.
Entre as acusações apresentadas contra ela estão a de suborno, abuso de poder, coação e vazamento de segredos oficiais, informou a agência Yonhap.
Park, que perdeu a imunidade presidencial após ser destituída em 10 de março, está em prisão preventiva há quase 20 dias por causa de seu papel na rede criada junto com a amiga Choi Soon-sil (conhecida como "Rasputina", por causa de sua proximidade com a ex-governante), que supostamente extorquiu de grandes empresas cerca de U$ 70 milhões.
A promotoria acusou também o presidente do Grupo Lotte, Shin Dong-bin, por garantir supostamente à rede cerca de 7 bilhões de wons (cerca de US$ 6,15 milhões) e anunciou que não apresentará denúncia contra o presidente do Grupo SK, Chey Tae-won, que aparentemente se negou a colaborar com o esquema.
O caso "Rasputina" atingiu os "chaebol" (os grandes grupos empresariais sul-coreanos), entre eles o maior do país, a Samsung, cujo presidente, Lee Jae-yong, foi preso preventivamente em fevereiro e está sendo julgado.
A acusação oficial contra a ex-presidente Park, que defendeu sua inocência em todos os interrogatórios, coincide com o início hoje da campanha para as eleições presidenciais antecipadas, marcadas para o dia 9 de maio.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia