Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 04 de abril de 2017. Atualizado às 19h06.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

França

Alterada em 04/04 às 19h08min

Candidatos à presidência da França defendem planos econômicos opostos em debate

Para criação de empregos, candidatos defenderam livre mercado e protecionismo "inteligente"

Para criação de empregos, candidatos defenderam livre mercado e protecionismo "inteligente"


LIONEL BONAVENTURE
Os principais candidatos à presidência da França defenderam políticas econômicas opostas durante um debate crucial na noite desta terça-feira (hora local), menos de três semanas antes do primeiro turno no país. O debate teve como foco três temas: a criação de empregos, a proteção ao povo francês e o modelo social do país, com a presença de todos os 11 candidatos.
Pesquisas sugerem que o candidato centrista independente, Emmanuel Macron, e Marine Le Pen, líder de extrema-direita da Frente Nacional, estão à frente na disputa. Caso os números se confirmem, ambos devem fazer o segundo turno.
Questionados sobre como pretendem gerar empregos em um país com uma taxa de desemprego há anos na casa dos 10%, Le Pen e Macron defenderam soluções opostas. Macron argumentou em prol do livre mercado e manteve uma postura favorável à Europa, enquanto Le Pen apoiou o que qualifica como um protecionismo "inteligente".
Macron quer reduzir impostos para as empresas, afrouxar as regras estritas do mercado de trabalho e impulsionar as negociações entre empresas e sindicatos para gerar empregos. Le Pen, por sua vez, quer a saída da França da União Europeia, além de propor um imposto sobre as empresas que contratem estrangeiros.
"Sem um protecionismo inteligente, nós iremos ver empregos sendo destruídos um depois do outro", afirmou ela. Le Pen acrescentou que a prioridade dela é reduzir impostos para pequenas e médias empresas.
A candidata da extrema-direita também atacou Macron. "Você não se apresenta como o novo quando usa ideias de 50 anos", disse ela ao ex-ministro das Finanças, que aos 39 anos concorre em sua primeira eleição. "Madame Le Pen, lamento dizê-la, mas você usa mentiras que ouvimos há 40 anos e estamos ouvindo você na boca do seu pai", rebateu Macron, em referência ao fundador da Frente Nacional, Jean-Marie Le Pen, pai de Marine e que foi condenado várias vezes por antissemitismo e racismo.
O candidato conservador François Fillon, que perdeu votos por causa de alegações de que quando era deputado deu empregos fantasmas à mulher e a dois filhos, tentou se manter vivo na disputa. Fillon enfrenta uma acusação formal nesse caso, mas garante não ter cometido nenhuma irregularidade.
O primeiro turno está marcado para 23 de abril e o provável segundo turno ocorre em 7 de maio.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia