Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 04 de abril de 2017. Atualizado às 08h49.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

Rússia

04/04/2017 - 08h51min. Alterada em 04/04 às 08h51min

Ataque em metrô na Rússia foi realizado por homem-bomba; mortes sobem para 14

Um homem-bomba estava por trás da explosão no metrô de São Petersburg, na Rússia, que matou 14 pessoas e deixou quase 50 feridos,  na segunda-feira (3), de acordo com os investigadores. O homem foi identificado como um cidadão nascido na Rússia, mas que vivia no Quirguistão.
Nenhum grupo assumiu a responsabilidade do ataque que ocorreu na tarde de segunda-feira (horário local), na mesma cidade onde o presidente russo, Vladimir Putin, estava em um encontro com o presidente de Belarus. São Petersburg é a segunda maior cidade da Rússia e cidade natal de Putin.
A ministra de Saúde da Rússia elevou nesta terça-feira o número de mortos de 11 para 14 e disse que 49 pessoas ainda estão hospitalizadas. Hoje pela manhã, moradores levaram flores nas estações perto de onde aconteceu a explosão.
O órgão de investigação da Rússia disse que os investigadores encontraram peças no corpo do suspeito que estava dentro do trem e que então chegaram à conclusão de que era um homem-bomba. O Comitê Estadual de Segurança Nacional do Quirguistão identificou o suspeito como Akbarzhon Dzhalilov, com idade entre 21 e 22 anos. Mas ainda não está claro se ambos são as mesmas pessoas.
A agência de notícias Interfax disse ontem que as autoridades acreditam que o suspeito era
ligados a grupos radicais islâmicos e carregava o dispositivo explosivo na mochila.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia