Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 03 de abril de 2017. Atualizado às 08h25.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

equador

Alterada em 03/04 às 08h29min

Moreno vence eleição, mas Lasso anuncia que pedirá impugnação

Com 95.64% das urnas apuradas, Moreno obteve 51.11% dos votos

Com 95.64% das urnas apuradas, Moreno obteve 51.11% dos votos


JUAN RUIZ/AFP/JC
Agência Brasil
O Equador saiu dividido do segundo turno das eleições presidenciais, realizadas nesse domingo (2). Uma hora antes do anúncio dos resultados preliminares, que lhe davam estreita margem de vantagem, o candidato governista, Lenin Moreno, anunciou a vitória. "Serei o presidente de todos os equatorianos", disse. Em seguida, ele pediu ao seu concorrente, o oposicionista Guillermo Lasso, que aceitasse a derrota - mas isso não aconteceu.
No fim da noite, sem que a apuração das urnas tivesse terminado, Lasso anunciou que nesta segunda-feira (3) vai pedir a impugnação de todos os votos e uma segunda contagem. Ele disse ter provas de que houve fraude e pediu aos seus simpatizantes que façam uma vigília, para "evitar que se instale um governo ilegítimo no Equador".
Enquanto partidários de Lasso convocavam uma "paralisação geral cívica", o presidente Rafael Correa comemorava a vitória de seu candidato. Com 95.64% das urnas apuradas, Moreno obteve 51.11% dos votos e Lasso 48.89 %. "A revolução voltou a triunfar no Equador. A direita derrotada, apesar de seus milhões e sua imprensa", escreveu Correa no Twitter.
Mal terminou a votação, milhares de partidários de Moreno e Lasso foram até a porta do CNE para esperar os resultados. Pela primeira vez, em uma década, foi necessário o segundo turno para definir quem presidirá o Equador.  Durante uma década, o cargo tem sido ocupado pelo economista Rafael Correa, que em maio conclui seu terceiro e ultimo mandato consecutivo.
A votação deste domingo - assim como o primeiro turno em fevereiro - foi acirrada. Na reta final, a campanha foi marcada pela troca de acusações e a polarização. O administrador cadeirante Moreno prometeu continuar a "Revolução Cidadã" e ampliar os planos sociais de Correa, de quem foi vice-presidente. O ex-banqueiro conservador Lasso se postulou como o candidato da mudança e propõe reduzir impostos. As últimas pesquisas de opinião, publicadas antes da eleição, previam "empate técnico" - por isso foi feito um chamado à população para esperar os resultados oficiais.
O primeiro boletim do CNE estava previsto para as 20h (22h em Brasília). Mas Moreno se antecipou, depois que o instituto Cedatos publicou uma pesquisa de boca de urna dando a vitória, com 53.02% dos votos, ao candidato opositor. Ele acusou Lasso de manipular os dados, para instalar a suspeita de fraude, e ao anunciar a própria vitória, fez um discurso sobre o seu programa de governo.
Lasso, que também havia comemorado a vitória mais cedo, não aceitou a derrota, citando três pesquisas de boca de urna que asseguravam a vitória. O oposicionista acrescentou que tem provas de irregularidades em algumas urnas e pediu aos seus simpatizantes que virassem a noite, para acompanhar a contagem de votos até o fim. Ele disse que telefonou para o secretário-geral da Organização dos Estados Americanos (OEA), Luis Almagro, para informar sobre a situação.
Nessa segunda-feira (3), o Conselho Permanente da OEA vai se reunir para discutir a crise institucional na Venezuela.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia