Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sábado, 01 de abril de 2017. Atualizado às 15h44.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

Terrorismo

Alterada em 01/04 às 15h46min

Número 2 do Estado Islâmico morre em ataque aéreo, afirma Iraque

O homem apontado como "número dois" do grupo terrorista Estado Islâmico (EI), identificado como Ayad Hamed al Yamili e apelidado de Abu Yehia, morreu em um ataque aéreo no oeste do Iraque, informou neste sábado (1º) o departamento de inteligência militar iraquiano. 
Em comunicado, as autoridades iraquianas precisaram que Al Yamili era o "ministro de Guerra" e que foi atingido por um bombardeio na cidade de Al Qaim, sob o controle dos jihadistas na fronteira com a Síria, no oeste da província de Al-Anbar.
Também morreram no ataque o responsável militar dos extremistas em Al Qaim, Turki Jamal al Dulimi, conhecido como Abu Hayar, e Salem Muzfer al Ayami, conhecido como Abu Hatab, que é o responsável administrativo do EI naquela cidade.
Segundo a Inteligência do Iraque, foi direcionado via avião "um golpe preciso" contra uma sede dos dirigentes do EI na cidade iraquiana. No entanto, informaram sobre a propriedade dos aviões que realizaram o ataque.
Há um mês, o líder máximo do EI, Abu Bakr al Bagdadi, se despediu de seus seguidores em discurso escrito distribuído na cidade iraquiana de Mossul, no qual admitiu a derrota de suas forças diante das tropas governamentais, segundo fontes militares.
O chefe do Conselho de Segurança da província de Ninawa - cuja capital é Mossul -, Mohammed Ibrahim al Bayati, explicou então à Agência EFE que os líderes destacados do EI "se movimentam sem rumo claro" nas fronteiras entre Iraque e Síria, entre elas nas zonas de Al Beach e Al Qaim.
O EI está cada vez mais encurralado no Iraque depois que as forças iraquianas, respaldadas pela coalizão internacional, lançaram uma grande ofensiva em Mossul para expulsar os jihadistas do que foi seu reduto principal e onde Baghdadi proclamou o "califado", em 29 de junho de 2014.
Com informações da Agência Brasil e EFE
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia